Últimos artigos

Cristina de Sa5

REMEMORAÇÕES

São espinhos ecopiosas flores,profusas recordaçõesde mil e uma cores...!São risos e cançõesdeveres, obrigações,brincadeiras puerismúltiplas diversões!São históriaspresas no tempoque a mente perpetuae despe sentimentosachando-se a alma nua...São doces...

Silves

Como falar de ti Silves

  Sem que uma lágrima me caíaComo a do enamorado enternecido.Ou de ti, Sevilha,Sem um suspiro de ansiedade?Sois terras vestidas, pela chuva fina,Com a túnica da mocidade,A mocidade que se desvaneceuQuando me furtou meus amuletosAssaltou-me a memória ...

Lorca

E depois

Os labirintosque cria o tempose desvanecem.(Só ficao deserto.)O coração,fonte do desejo,se desvanece.(Só ficao deserto)A ilusão da aurorae os beijosse desvanecem.Só ficao deserto.Um onduladodeserto.Frederico Garcia Lorca(imagem retirada da net)

Mais artigos desta secção

Língua Portuguesa

 Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela Am...

Cantiga de Amigo

Ondas do mar de Vigo,se vistes meu amigo!E ai Deus, se verrá cedo!Ondas do mar levado,se vistes meu amado!E ai Deus, se verrá cedo!Se vistes meu amigo...

Ai eu coitad!

 Ai eu coitad! E por que via dona que por meu mal vi!Ca Deus lo sabe, poila vi,nunca já mais prazer ar vi;ca de quantas donas eu vi,tam bõa dona nunca...

NÃO

 Não me conheço a mim mesmo.Não sou cristão, nem judeu, nem mago, nem muçulmano.Não venho do Oriente, nem do Ocidente.Nem da terra, nem do mar.Tampouc...