O BURACO QUE CRESCE

Há buracos que não param de crescer,
enquanto para pagar há que emagrecer,
ao mesmo tempo que sem se envergonhar
o governo os deixa muito mais cavar
para, ora uns ora outros, mais engordar.
A PARVALOREM é coisa pública
criada para ??? sob uma tutela.
Há anos que nesta triste república
os governos parecem donos dela!
RS
Sande42.png

Antiga equipa de Oliveira Costa no BPN recebe bónus de meio milhão

Foram distribuídos prémios, no valor global de cerca de 500 mil euros, a vários diretores da Parvalorem, alguns dos quais envolvidos em processos judicias e que eram próximos de José Oliveira Costa.

 Eco.png

 

 

 

 

 

 


Foram distribuídos prémios, no valor global de cerca de 500 mil euros, a vários diretores da Parvalorem, alguns dos quais envolvidos em processos judicias e que eram próximos de José Oliveira Costa.

A Parvalorem, veículo do Estado que gere cerca de três mil milhões de euros de ativos tóxicos do antigo Banco Português de Negócios (BPN), atribuiu, em 2017, bónus aos trabalhadores com mais de 15 anos de serviço. Ao todo, foram atribuídos cerca de 500 mil euros em bónus, que oscilaram entre um mínimo de mil euros e um máximo de quase 52 mil euros.

A notícia é avançada, este domingo, pelo Público (acesso condicionado), que dá conta de que, entre estes funcionários da Parvalorem, estão vários diretores, alguns dos quais estão envolvidos em processos judiciais enquanto antigos dirigentes do BPN e eram próximos de José Oliveira Costa, cuja gestão resultou num buraco de cerca de 5 mil milhões de euros nas contas públicas.

Estes montantes, pagos juntamente com os salários de julho de 2017 e de janeiro deste ano, foram atribuídos aos trabalhadores no topo da pirâmide hierárquica da Parvalorem e foram distribuídos, sobretudo, a título de prémios, mas também de reposição de diuturnidades (40 euros por mês por trabalhador).

Do total de 500 mil euros atribuídos, 250 mil foram para 10 quadros diretivos, dos 20 que existem na empresa do Estado. Aqui, encontram-se antigos homens de confiança de José Oliveira Costa: Armando Pinto, que chegou a integrar o conselho de administração de Oliveira Costa e que é agora diretor dos assuntos jurídicos da Parvalorem, com um salário mensal de 12.600 euros, é um deles. António José Duarte, antigo administrativo na direção de operações do BPN, bem como assessor e braço direito de Oliveira Costa, está agora na equipa de Armando Pinto e aufere um salário de 6.600 euros.

Há 68 trabalhadores do antigo BPN que se queixam de não terem vistos os seus salários a serem aumentados a partir de julho de 2017. São os que recebem salários mais baixos, entre os 800 e os 1.200 euros. A Autoridade para as Condições do Trabalho já foi notificada e está a analisar uma queixa por eventual discriminação entre trabalhadores da instituição.