É tragicómico este “sistema”.

É na suposta representação pelo método escolhido que o número de eleitores cada vez menor julga escolher quem não conhece porque o conjunto dos partidos lhos oferece para se sentarem à mesa do orçamento que encomendam a um primeiro-ministro que resultará de uma concertação que deixa desconcertados os eleitores e justifica a maioria cada vez maior de abstencionistas sendo este o sistema que prevê mandatos de “governação” de quatro anos dos quais emanam nomeações para órgãos ditos independentes cujos os mandatos são fixados pela mesma lógica a que emprestam um tempero de “independência” com a participação do Presidente da República que de república só tem retorcida simbologia “sistema” assim agregador de outros “sistemas” de falseada independência e corporativos como é o caso da PGR motivo de palco de entretenimento para a comunicação social alimentada pelos cómicos deputados que deviam ter fundada formação política lógica cuja a duração do mandato de PGR não passa de “talk show” para além de uma eventual continuidade significar a humilhação de rogar essa continuidade a quem se portou mal durante a carreira de procuradora como no caso das adopções da IURD e voltou a portar-se mal iludindo o povoléu com uma auto-sindicância tendo afirmado ainda que o seu mandato seria de seis anos não renováveis.

É tragicómico este “sistema”.

Fadomeu