PARA QUE SERVEM OS CUNHADOS!

 Um bípede, a que também, vá lá saber-se porquê, chamam homem, sentiu-se mal quando perseguia uma loiraça, deu um trambolhão daqueles a parecer bem, mas que fazem grande mossa, e foi levado para um hospital totalmente administrado por freiras, algumas, até, ainda freirinhas.

Foi operado ao coração. Quando veio a si, que alguns dizem acordou por medo de alterar a ordem das palavras no “veio a si”, a seu lado estava a freira responsável pela tesouraria do hospital que, sem o deixar respirar, lhe perguntou:

 - Caro senhor, a sua operação foi um sucesso e está salvo. Entretanto, há um assunto muito urgente a tratar.

Sem mais delongas, depois da informação, a questão:

- Como pretende pagar a conta do hospital? O senhor tem seguro de saúde?

 - Não, Irmã.

 - Possui cartão de crédito?

 - Não, Irmã.

 - Pode pagar em dinheiro?

 - Não tenho dinheiro, Irmã.

 - Então com um cheque, já poderá pagar?

 - Também não, Irmã.

 Naquele estado em que até as bondosas freiras quase perdem a tineta, ou a transmontana, a freira, de coração mais duro que o metal das moedas, já a faiscar, lança:

- Bem, o senhor, com certeza, tem algum parente que possa pagar a conta, não?

- Talvez, mas… Na verdade, tenho uma irmã solteirona, que é freira, mas não sei se ela terá meios para pagar.

 A freira, corrigindo-o diz:

 - Desculpe ter de o emendar, senhor, mas as freiras não são solteironas; são casadas com Deus!

 - Ah! Nesse caso, então mande a conta ao meu Cunhado!

 

(E assim nasceu a expressão: "DEUS LHE PAGUE").

Imagem retirada da net